FINALIDADE

O atual estado da tecnologia oferece-nos recursos fantásticos para a produção de jornalismo rigoroso de qualidade.
Um acesso à internet praticamente ubíquo combinado com computadores portáteis, tablets e smartphones com elevada autonomia e capacidade de processamento, permitem ao jornalista investigar, recolher informação e até reportar em praticamente qualquer situação.
Em paralelo, a gigante Google tem vindo a desenvolver dezenas de ferramentas que desafiam os limites da imaginação e, acima de tudo, transformam certas tarefas em tempos árduas ou até impraticáveis, em empreitadas simples, divertidas e relevantes.
O objetivo desta ação de formação é dar a conhecer as principais ferramentas da Google que podem e devem ser dominadas e combinadas para otimizar a qualidade e o fluxo e de trabalho do jornalista.

DESTINATÁRIOS

Este Plano de Formação deverá responder a necessidades de formação de três tipos de destinatários:
– jornalistas com longa experiência, que estão, de um modo geral, há diversos anos a colaborar com publicações, não tendo tido a oportunidade de frequentar ações de formação com regularidade;
– jornalistas mais jovens, com formação específica sobre diversas matérias/áreas de conhecimento, para os quais, se justifica a frequência de uma ação com características de reciclagem/aprofundamento ou, ainda, de aquisição de conhecimentos.
– Jornalistas com conhecimentos informáticos na ótica do utilizador que não costumam usar ferramentas da Google, em especial de forma integrada.

PROGRAMA

25 H

1. Vista geral da ferramentas Google para jornalistas

2. Ferramentas Google para a pesquisa de informação e dados
2.1. Pesquisa Google
2.2. Mapas Google
2.3. Google tradutor
2.4. Google News
2.5. Google Public Data
2.6. Google Earth
2.7. Alertas do Google
2.8. Google Trends
2.9. Google Dataset Search

3. Ferramentas de verificação de informação
3.1. Ferramentas de verificação de informação
3.2. Ferramentas de combate à desinformação
3.3. Colaborações Google News Initiative

4. Ferramentas de comunicação da Google
4.1. Gmail
4.2. Allo, Duo e Hangouts

5. Ferramentas Google para organizar o trabalho
5.1. Google Calendar
5.2. Google Keep
5.3. Google Chrome plugins

6. Ferramentas Google para trabalhar
6.1. Google Docs/Sheets/Slides
6.2. Google Drive
6.3. Google Analytics
6.4. Google Forms/Surveys

7. Ferramentas Google para publicar informação
7.1. Google Sites
7.2. Google Blogger
7.3. Youtube

8. Ferramentas Google para visualizar informação e dados
8.1. Google Florish
8.2. Google Tilegrams
8.3. Google Data GIF Maker
8.4. Google Data Studio
8.5. Google Web Designer

OBJETIVOS GERAIS

No final do curso, os formandos deverão:
– Conhecer e identificar as principais ferramentas da Google que podem ser usadas na prática do jornalismo;
– Perceber como dominar essas ferramentas ajuda a agilizar o fluxo de trabalho e a criar matérias de qualidade superior;
– Perceber a importância de contar histórias e das abordagens possíveis através de ferramentas transmedia;
– Distinguir os vários suportes onde pode ser encontrada informação, que vão desde sites, passando por bases de dados ou mesmo redes sociais;
– Identificar algumas das ferramentas e aplicações utilizadas para o tratamento, visualização e divulgação de informação e dados;
– Aplicar os fundamentos das técnicas apresentadas na produção e edição de conteúdos jornalísticos;
– Proceder a pesquisas específicas de informação, tendo em conta as fontes e formas de trabalhar os dados tratadas ao longo da ação de formação.

TAXA DE FREQUÊNCIA

50 euros.

Desconto de 50% para portadores de título profissional de jornalista e para outros profissionais dos média que apresentem declaração da entidade empregadora comprovativa da atividade atual.

Os desempregados beneficiam de isenção da taxa de frequência, para o que deverão apresentar declaração do Centro de Emprego.

METODOLOGIA

Formação em ambiente presencial, em sala, assente numa organização sequencial lógica, funcional.
Nas sessões teórico-práticas presenciais, recurso aos métodos: expositivo (participado), interrogativo, demonstrativo.
Trabalho prático com base na descoberta e role-playing.
Análise crítica de trabalhos

AVALIAÇÃO E QUALIFICAÇÃO

A qualificação, atestada por um diploma no final do curso, depende da assiduidade da frequência – a ação formativa implica, pela sua própria natureza, a presença dos formandos – e do nível de desempenho dos formandos ao longo do curso, num processo de avaliação contínua.

Para mais informações, contactar a secretária do curso – Fátima Gonçalves – tlf.: 218855011 • e-mail: fgoncalves@cenjor.pt